Growth Hacking e a técnica para crescer a sua empresa

10.02.2020 | Por: administrador

Como uma marca crescente ou comerciante, ou mesmo se você vem estudando sobre o Marketing Digital, provavelmente já viu o GROWTH HACKING em ação ou leu algo sobre, mesmo ainda não conhecendo o termo especificamente.

O Growth Hacking já é uma realidade para muitas empresas hoje em dia, mas o termo também vem acompanhado de muitos mitos, que acabam por confundir muitos que estão interessados em aplicar a conceito em suas estratégias.

Por isso, se você quer dar um up no seu negócio, saber exatamente como funciona e como aplicar o growth hacking e melhorar o seu desempenho dentro das táticas do marketing digital, vem com a gente na leitura deste artigo e entenda tudo sobre o growth hacking.

Vamos?

O que é o growth hacking?

O growth hacking é uma forma de trabalhar o crescimento de seu negócio, com base na construção empírica de melhores práticas a partir de hipóteses e experimentos. 

Growth hacking é marketing orientado a experimentos. (Sean Ellis)

É uma estratégia de marketing que se concentra em direcionar o tráfego que leva a conversões. Ao contrário do marketing tradicional, que se concentra em várias formas de crescimento, atenção e construção de marca, o growth hacking gira em torno dos números.

Independentemente da estratégia usada, qualquer decisão usada por um profissional de marketing é influenciada pelo potencial de crescimento. Não há outras metas ou táticas que importam, cada tarefa deve se relacionar a uma meta específica.

Cunhado pelo profissional de marketing Sean Ellis, a prática se refere a uma metodologia que transforma táticas inteligentes e simples em crescimento rápido e mensurável. 

Aplicativos como Ifood e Uber são exemplos bastante claros de crescimento exponencial após o lançamento. Assim é, a grosso modo, o growth hacking: crescer, crescer e crescer. Agora, as estratégias, as brechas que são usadas pelos profissionais para esse crescimento é que conceituam a prática de growth hacking.

Profissionais de marketing que querem se tornar hackers em crescimento devem usar a psicologia e táticas inteligentes de engenharia para gerar resultados mensuráveis. Requer criatividade e um único foco em todos os momentos.

Uma startup ou uma nova marca não pode ficar nessa fase para sempre. Para durar, eles devem estabelecer sua marca enquanto percebem crescimento sustentável e duradouro. O growth hacking é uma maneira de alcançar esse objetivo. 

Para simplificar, vamos analisar o significado das palavras:

  • Growth: crescimento
  • Hack: brecha, espaço, corte
  • Hacking: o ato de encontrar e explorar essas brechas e espaços.

Assim fica mais fácil compreendermos que o growth hacking nada mais é que encontrar os momentos, as brechas para focar no crescimento. A teoria do growth hacking, obviamente, é mais simples que a prática. O que pega mesmo nessa metodologia é a disciplina em executá-la. 

De onde surgiu o Growth Hacking?

A expressão growth hacking surgiu pela primeira vez, em 2010, com o ex-líder de Growth do Dropbox e do LogMeIn e fundador do Qualaroo e do GrowthHackers, Sean Ellis.

Naquela época, Sean Ellis observou como algumas empresas se comportavam diante do crescimento pelo qual passavam e considerou alguns pontos:

  • Fugiam do marketing tradicional: buscar novas formas de divulgar a marca é uma das coisas que essas empresas faziam.
  • Tinham times dedicados a growth com uma formação bem heterogênea: montavam equipes diversificadas com profissionais das mais diversas áreas e com perfis analítico e criativo, aliás o growth trabalha com criatividade e dados.
  • Faziam rigorosas otimizações baseadas em análises e dados: isso significa que não havia espaço para “achismo”, tudo precisava de informações para ser confirmado ou refutado.

Ou seja, Sean percebeu que essas empresas possuíam um passo a passo para implementar melhorias e fazer com que o negócio tivesse um crescimento sustentável, e a isso deu-se o nome de growth hacking.

Como ser um profissional de growth hacking?

Vimos que growth hacking nada mais é do que ter a sagacidade de identificar lacunas dentro da empresa que podem ser trabalhadas para gerar um crescimento acima da média.

Sean Ellis percebeu que, ao deixar as suas consultorias, as empresas estagnavam-se e não mais cresciam como antes. Isso levou-o a acreditar que aqueles processos que eram desenvolvidos precisavam ter continuidade. 

Por isso, passou a investir em profissionais que estivessem cada vez mais antenados com aquelas técnicas. Surgiu então a figura do growth hacker. 

Mas para ser um growth hacker não é necessário um curso específico ou uma ter uma determinada formação. Como dissemos no início, trata-se de identificar “portas abertas” para crescimento na empresa. Sendo assim, é mais uma questão de mindset do que de formação.

É claro que profissionais ligados ao marketing conseguem ter uma visão mais estratégica de mercado e crescimento tornando-se grandes potenciais para serem growth hackers, mas qualquer profissional de outras áreas pode estudar e desenvolver esses gatilhos a fim de  sempre obter bons resultados.

Portanto, se você quer tornar-se um growth hacker, estude, amplie sua visão de estratégias de crescimento, mude seus pensamentos e promova gatilhos e aberturas para novos processos de alavancagem.

Como começar uma estratégia de growth na sua empresa?

O processo de growth é totalmente focado na experimentação e, embora, tenha nuances diferentes para cada tipo de empresa, existe um parâmetro que deve ser usado por todas.

Funil de growth hacking

Assim como existe um funil de marketing que orienta a jornada de compra do consumidor, existe também o funil de growth hacking.

O funil possui 5 estágios:

  1. Aquisição (Acquisition), que reúne as práticas para atrair e conquistar um cliente.
  2. Ativação (Activation), quando o foco é entregar a primeira boa experiência ao cliente.
  3. Retenção (Retention), etapa em que os clientes estão satisfeitos ao ponto de continuar utilizando seu produto.
  4. Receita (Revenue), quando os clientes estão gerando faturamento para a empresa.
  5. Indicações (Referral), quando estão chamando amigos e conhecidos para se tornarem clientes também.

No geral, as ações de growth são pensadas para otimizar um destes estágios.

1 – Defina o problema

Primeiramente, defina o problema que você precisa resolver. Parece óbvio, mas em meio a tantas dificuldades e assuntos, muitas vezes, não sabemos especificar o que precisamos melhorar.

2 – Geração de ideias

Depois de definir o problema, faça um brainstorming com sua equipe levantando as principais causas e soluções para o problema encontrado.

Anote todas as ideias. Sem exceção. Lembre-se que as melhores soluções nunca são descobertas já na primeira ideia, elas são o resultado de várias outras sugestões combinadas e melhoradas.

Depois do brainstorming, agrupe as ideias conforme a parte do funil que elas mais impactam. Isso ajudará na priorização.

3 – Selecione as ideias

Veja em qual parte do funil está concentrada a maioria das ideias. Por exemplo, se as vendas estão baixas, focar na Aquisição será prioritário em relação à Retenção.

Ainda assim, para cada estágio do funil o ideal é ter muitas ideias.

Depois de selecionar as ideias e agrupá-las no funil, analise a viabilidade/complexidade de cada uma delas.

Aquelas que são mais simples de implementar e tem alto potencial de impactar positivamente a solução do problema proposto devem ser priorizadas.

4- Modelagem de experimentos

É hora de planejar a sua ideia. É o momento em que ela vira uma hipótese.

Ou seja, lá no início você identificou o seu problema, visualizou a sua lacuna de crescimento e agora precisa fazer algo com isso, não é mesmo?

Você então cria uma hipótese. Vamos imaginar que o formulário que você disponibiliza para novos contatos esteja longo demais (problema) e talvez isso esteja diminuindo o número de pessoas que se cadastram.

Então, você imagina que se reduzir a quantidade de questões pode motivar as pessoas a responderem (hipótese).

Assim, você levantou o seu problema e criou uma hipótese de solução para ele.

A partir disso, você deverá criar o seu experimento, que nada mais são que testes supervisionados, para provar ou refutar a sua hipótese.

Quando você aplicar o seu novo questionário, ele será o seu experimento para comprovar ou não que o número de perguntas estava, de fato, prejudicando a quantidade de cadastros. Entendeu?

Analise os resultados

Após realizar o experimento, é hora de verificar os resultados e checar se hipótese foi comprovada ou refutada.

Tenha em mente que dessa análise de resultado, podem surgir diversas outras ideias de ações de growth hacking para o futuro.

Não manipule os resultados para parecerem satisfatórios. Tudo é aprendizado.

Como o growth hacking se relaciona com o marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo é sobre direcionar tráfego. É como você atrai novos visitantes para a página da sua marca, como você inicia conversas e como você chama a atenção. É também como você pavimenta o caminho para os clientes aprenderem mais sobre o que você tem a oferecer antes, esperançosamente, atraindo uma venda.

Como a prática está relacionada ao crescimento, ela pode cair sob o guarda-chuva de crescimento. O objetivo final é o mesmo: crescimento. Isso significa que não há razão para que eles não devam trabalhar juntos.

Aplicando o growth hacking ao marketing de conteúdo

Pense em seus objetivos para criar conteúdo. Você quer fazer mais do que obter um compartilhamento ou um retweet de vez em quando? Sim. Você quer direcionar o tráfego significativo em conversões. Considere a possibilidade de experimentar alguns dos métodos abaixo para aumentar suas iniciativas de marketing de conteúdo aplicando metodologias de growth hacking.

  1. Comece com o título

Caso você ainda não esteja ciente, as manchetes são um dos passos mais importantes para atrair a atenção. Eles podem ser a diferença entre uma visita e um rolar de página. No entanto, apesar de serem importantes, muitos profissionais de marketing de conteúdo ficam preguiçosos. Eles vão com manchetes genéricas em vez de chamar atenção.

Para praticar mais criatividade, tente escrever várias manchetes para cada postagem. Pense em palavras de ação e listas numeradas que possam ser de interesse para o seu público alvo. Faça uma afirmação ousada, seja ultrajante e chame a atenção.

  1. Use infográficos

Infográficos tornaram-se muito populares nos últimos anos. É lógico, eles fazem pedaços complexos de informação parecerem fáceis de entender e se relacionar. Eles tornam a informação mais acessível e são mais eficazes para gerar pontos de referência do que os conteúdos tradicionais de texto.

Para criar um infográfico eficaz , pense em informações que seriam de interesse para o seu mercado-alvo e, em seguida, divida-o. Lembre-se que o simples é sempre melhor. Quanto mais você puder dividir ideias complexas em informações mais fáceis de relacionar, mais bem-sucedido será seu infográfico. Uma empresa que comercializa sistemas de GPS pode pegar estatísticas relativas ao tamanho de uma determinada área que é inconcebivelmente grande, comparando-a com um certo número de campos de futebol ou estados, adicionando apelo visual. É tudo sobre o quão bem o leitor pode se relacionar com as informações apresentadas.

  1. Pense em compartilhar o potencial

Se a informação não puder ser compartilhada, ela não deve ser considerada no esquema de hacking de conteúdo. O conteúdo só se espalha online ao se tornar viral, o que só acontece quando os leitores o consideram digno de compartilhamento.

Torne suas funções de compartilhamento importantes colocando-os em vários locais na sua página. Ofereça promoções para agir ou compartilhar o conteúdo da sua marca nas mídias sociais. Incentive os leitores a compartilhar, pedindo que façam isso. Mais importante ainda, escreva um conteúdo que seja aplicável a um grande número de pessoas e, portanto, valha a pena compartilhá-lo independente da mídia social a ser utilizada.

  1. Inclua uma chamada de ação

Às vezes, certas coisas precisam ser soletradas. Feche cada artigo ou parte do conteúdo com um apelo à ação. Incentive o leitor a compartilhar o que leu em sua mídia social preferida. Encaminhe-os para a página de compras ou para o seu próprio carrinho de compras para concluir a ação. Destaque produtos específicos. Isso pode assumir qualquer forma, mas, como o crescimento é a principal prioridade, certifique-se de que sua chamada de ação de alguma forma esteja relacionada a essa meta final.

  1. Ofereça algo único

Quer se trate de uma promoção especial, um download gratuito, um guia que se relaciona com a sua indústria ou produto, um jogo, uma curtida no Facebook ou algo completamente diferente, destaque-o em seu marketing. Ao fazer isso, você está oferecendo um incentivo claro para potenciais visitantes para verificar o conteúdo que você tem a oferecer.

Agora é a hora de aplicar o growth hacking ao seu esquema de marketing de conteúdo. Comece com as ideias acima e comece hoje!

Conclusão

O growth hacking é uma forma de pensar. Não é uma metodologia pronta e acabada com uma fórmula a seguir. É, justamente, a possibilidade de ser  e testar vários formatos para resolver um problema.

Tenha isso em mente e veja que você pode aplicar growth hacking em todas as esferas do seu negócio.

Ficou interessado em saber mais sobre o growth hacking? Tem alguma dúvida? Deixe nos comentários que teremos o maior prazer em respondê-lo.

 

Posts Relacionados

website
  • Data: 06.05.2021
  • Por: Por: administrador

Preciso criar um site: qual o primeiro passo?

Com o crescimento vertiginoso e popularidade da internet, se torna necessário seja para pequenas, médias ou grandes empresas ter um site a web. E para reforçar essa afirmação, pesquisas do Ibope revelam que somos 105 milhões de internautas no brasil, e ocupamos a 4º posição no mundo...

Saiba Mais

SEU NEGÓCIO NO TOPO?

VAMOS CONVERSAR

icone do titulo Certificações

semrush-logo
google-meu-negocio-logo
facebook-certificado-01
facebook-certificado-02
rd-station-certificado
parceiro-de-sucesso-certificado
imbound-certificado

Fale conosco pelo Whatsapp